Tiros contra caravana de Lula foram um ataque planejado, diz delegado

O delegado Hélder Laudia, responsável pelas investigações sobre o ataque à caravana do ex-presidente Lula no Paraná, declarou que os tiros contra os ônibus foram um ataque planejado.

Os veículos foram alvo de disparos no dia 27 de março, em um trecho da PR-473 entre Quedas do Iguaçu, no oeste do estado, e Laranjeiras do Sul, na região central do estado.

De acordo com Lauria o atirador se posicionou e esperou a caravana passar para atirar. O delegado disse, no entanto, que ainda não é possível afirmar o local exato dos disparos e o motivo, revela o G1.

“Quem fez isso sabia o que estava fazendo. Não podemos dizer que foi algo orquestrado e o que motivou. Mas, a pessoa não estava lá atirando em passarinhos e por acaso acertou o ônibus”, comentou.

O crime continua sendo investigado como “disparo com arma de fogo com dano provocado”. E, o responsável pelo caso deve pedir ao menos mais 30 dias para concluir o inquérito policial.

Até agora foram ouvidas 30 testemunhas, entre moradores, policiais e seguranças. Ainda devem ser ouvidos mais seguranças, policiais, passageiros e um jornalista que estava na caravana.

Laudo

Conforme o laudo feito nos ônibus atingidos, a perícia encontrou um fragmento de projétil de chumbo nu, de calibre .32, na lataria de uns dos veículos.

De acordo com o perito criminalista Inajar Antonio Kurowski, somente um dos três ônibus periciados foi atingido e por dois disparos – um na lataria e outro em um vidro. Esse ônibus teve dois pneus furados por “miguelitos”.

No dia do ataque, o Partido dos Trabalhadores informou que dois ônibus tinham sido atingidos por três tiros. Porém, a marca no outro veículo não foi um tiro, segundo a perícia. O laudo não indicou presença de chumbo no local da marca.

“Foi um impacto contundente, vulgarmente conhecido como pedrada”, disse o perito.

O laudo não aponta se, no momento dos disparos, os ônibus estavam em movimento, mas afirma que as marcas dos tiros apresentam “características de recenticidade”.

A perícia também indica que o suposto atirador estava sobre um piso de “aproximadamente 4,36 metros” e que tem estatura de 1,70 metro.

Os tiros, ainda segundo o laudo, foram disparados ligeiramente de cima para baixo e acertaram a lateral direita do ônibus. Já o atirador estava posicionado atrás dos veículos, diz o perito.

Embora o laudo não aponte um local, o perito supõe que, por ser uma rodovia, o mais provável é que os disparos tenham sido feitos de um barranco.

30/05/2018